INT apresenta tijolo e óculos produzidos com resíduos de rochas ornamentais em exposição

Hoje quarto maior produtor mundial de rochas ornamentais, o Brasil transforma – entre a extração e o beneficiamento nas serrarias – quase a metade dessa produção em resíduos. Geralmente descartados no próprio ambiente, o cascalho e especialmente o pó residual dão origem a sérios problemas ambientais, como acúmulo em aterros, contaminação do solo e poluição do ar. Esses resíduos, no entanto, adquirem novas finalidades quando misturados a polímeros (plásticos e borrachas) no desenvolvimento de novos materiais destinados a diversos produtos. Na Avenida da Ciência, o INT também expõe um tijolo e um óculos produzido com este novo material.

Pesquisa com rochas ornamentais é promissora no Brasil

Orientados em parceria pelo pesquisador do Cetem, Roberto Carlos da Conceição Ribeiro, e pela coordenadora de desenvolvimento tecnológico do INT, Márcia Gomes de Oliveira, alunos de iniciação científica e tecnológica, mestrado e doutorado, tem impulsionado as pesquisas de geração desses novos materiais.

As possibilidades são muitas, visto que o Brasil tem espalhadas pelo seu território, jazidas de vários tipos de rochas e minérios. Calcário, granito, mármore, ardósia, mica, cada resíduo mineral é melhor suportado por um tipo de polímero.

O tijolo ecológico, produzido a partir de resíduos de rochas ornamentais, é mais resistente a água e ao fogo, comparado ao tijolo convencional.

Tijolo e óculos produzidos com resíduos de rochas ornamentais

 

Entre os dias 22 e 27 de julho, o INT integra a Avenida da Ciência: uma mostra de ciência e tecnologia de unidades do MCTIC, que acontece na 71ª Reunião Anual da SBPC, em Campo Grande (MS). No evento são expostas réplicas das peças do Museu Nacional produzidas por impressão 3D, produtos de resíduos de rochas com polímeros, produtos de tecnologia assistiva premiados e imagens do Cenano. No estande do INT, os visitantes também podem tirar uma foto com jaleco junto a um balcão que simula um laboratório de química.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *